Álbuns Clássicos — Volume I

by - December 25, 2019

Divulgação/Diego Figueira


Recentemente, participei do projeto Álbuns Clássicos — Volume I, e-book com crônicas a respeito de discos lançados nos anos de 1968 e 1969. O material foi organizado e editado pelos jornalistas Diego Figueira e Fábio Cruz. Pude contribuir com dois textos, um sobre o álbum Everybody Knows This Is Nowhere, de Neil Young & Crazy Horse — que você pode ler aqui —, e outro sobre o primeiro disco de Iggy Pop & The Stooges. Abaixo, você pode ler um trecho do artigo.

Pintou sujeira

Dizer que determinado disco ou banda tal é “visceral” é um dos maiores clichês da crítica musical brazuca. O termo costuma ser usado para designar aquele grupo cujo som entra rasgando corações, mentes e ouvidos, expondo em poesia suja, guitarra cortante, baixo envolvente e bateria trepidante o Rock ‘n’ Roll em sua forma mais bruta e honesta. 

Todo clichê, contudo, nasce em algum momento, em algum lugar. Não sei quem foi o primeiro escriba a usar o adjetivo, no entanto, é difícil crer que ele tenha surgido antes do lançamento do primeiro álbum dos Stooges, em agosto de 1969 – não há álbum capaz de merecer tal descrição de forma tão precisa quanto esse. 

O disco, fruto da mente de quatro debiloides de Ann Arbor, Michigan – James Osterberg, mais conhecido à época como Iggy Stooge e, posteriormente, Iggy Pop, nos vocais, Dave Alexander no baixo e os irmãos Ron e Scott Asheton, na guitarra e na bateria, respectivamente –, foi o primeiro de uma tríade que influenciou para sempre o gênero. Produzido por ninguém menos que a metade do cérebro do Velvet Underground, o baixista e violista John Cale, The Stooges, o disco, traz oito das mais memoráveis e instantaneamente apreciáveis faixas da história do rock.

Para ler o texto completo, adquira o e-book neste link.

You May Also Like

0 comments